About Us

Our work strives to enhance our sense of surroundings, identity and relationship to others and the physical spaces we inhabit, whether feral or human-made.

Selected Awards
  • 2004 — Aga Khan Award for Architecture
  • 2009 — Mies van der Rohe Award
  • 2013 — AIA/ALA Library Building Award
  • 2015 — Best Interior, Designers Saturday
  • 2016 — AIA New York Honor Award

O que é a psicanálise?

A psicanálise é um tipo de psicoterapia, desenvolvida pelo famoso médico Sigmund Freud, que serve para ajudar as pessoas a entenderem melhor seus sentimentos e emoções, assim como ajudar na identificação de como o inconsciente influencia os pensamentos e ações no dia-a-dia.

Esta terapia é geralmente usada para auxiliar no tratamento de pessoas com ansiedade, depressão e outros tipos de transtornos. No entanto, a psicanálise também pode ser realizada por qualquer pessoa que queira compreender suas experiências pessoais, que tenham problemas de relacionamentos, sentimentos de isolamento, mudanças graves de humor, auto-estima baixa, dificuldades sexuais, infelicidade constante, conflitos entre pessoas, dificuldade de concentração, preocupação excessiva e comportamento autodestrutivo, como uso de álcool ou drogas. 

Através da psicanálise uma pessoa pode adquirir conhecimentos da parte inconsciente de sua mente e isto pode ajudar a entender sentimentos, emoções e conflitos internos. Desta forma, este tipo de terapia pode ser indicada para qualquer pessoa que queira se autoconhecer e querer entender porque sente determinadas emoções.

Em síntese, se conhecer mais é um lindo caminho para a pessoa aprender a viver melhor consigo mesmo e com os outros.

O Método da Associação Livre de ideias

A associação livre passa a ser o método psicanalítico por excelência

O método da ​associação livre​ criado por Freud, é também uma constante na obra de autores pós-freudianos. 

Ao associar livremente suas ideias, o paciente no decorrer do tratamento vai superando as suas resistências e deste modo os conteúdos do inconsciente são trazidos para a consciência.

O paciente fala e, falando, já há um alívio psicofísico, pelo simples fato da mobilização mecânica descarregar parte da tensão psíquica. Mas, além deste aspecto quantitativo, há a dimensão qualitativa, isto é, do conteúdo: falando o que lhe vier na cabeça (sem autocensura, sem censuras do analista e sem censuras das representações sociais ou morais), o paciente “distrai” seus mecanismos de defesa, permitindo aflorar aspectos inconscientes em busca do trauma original​.

A diferença da psicoanálise com outras terapias psicológicas.

Para muitas escolas da psicologia, das ciências humanas e das ciências naturais, o ser humano é ​uma única coisa, uma coisa só, indivíduo, indivisível​, dono de suas vontades e responsável por todos os seus atos. Para essas correntes teóricas, o sujeito seria unicamente consciente​.

Para a Psicanálise, o sujeito é​ dividido, cindido​. A ideia de haver um inconsciente é a ideia discordar do sujeito unívoco que mencionamos anteriormente. O sujeito não é senhor de si. É, ao mesmo tempo, sujeito e sujeitado: por suas memórias, por sua trajetória, pelas imposições sociais, por seus relacionamentos, por suas experiências durante o desenvolvimento psicossexual, por seus desejos, etc. Mas, ainda assim, não é possível dizer que o sujeito é puramente inconsciente, já que a Psicanálise considera ​também a​ dimensão consciente.

Princípio de Prazer vs. Princípio de Realidade

Segundo Freud, o princípio do prazer, juntamente com o princípio da realidade, é a base do rumo dos acontecimentos psíquicos de qualquer indivíduo.

 

O princípio do prazer caracteriza-se pela procura de prazer e, ao mesmo tempo de evitamento de dor, sofrimento ou tensão, por parte de um organismo. Todos os seres vivos obedecem a este princípio, mas no caso do ser humano, o inconsciente é quem lidera esta busca permanente na obtenção do prazer.

 

Na teoria psicanalítica, o princípio do prazer, que representa o desejo instintivo de satisfação permanente que todos nos temos, é contraposto pela realidade do mundo exterior, ou seja, pelo princípio da realidade. Queremos prazer constantemente, mas a realidade não nos permite fazer isso. Nessa luta entre quero cumprir meus desejos de prazer e não posso fazer-lo realidade, nasce nossa personalidade.

As varias aplicações da psicoterapia.

A psicoterapia é um processo que permite transformações profundas da personalidade, com resultados evidentes em diversas situações como:

 

  • tratamento de vários transtornos psicológicos como pânico, fobias, depressão, anorexia, bulimia, frigidez, impotência, etc.
  • resolução de conflitos pessoais, interpessoais, conjugais, familiares, profissionais etc.
  • elaboração de crises existenciais, transições difíceis (luto, crises profissionais, etc) e mudanças de fases de vida (puberdade, adolescência, vida adulta, menopausa, envelhecimento, etc.)
  • desenvolvimento da capacidade de auto-gerenciamento, da capacidade de lidar com os efeitos do estresse, dialogando com os sentimentos e os desafios e problemas que a vida apresenta.
  • aquisição de auto-conhecimento, aprendizado, reflexão e descoberta de novos modos pessoais de conduzir a própria vida.
  • fortalecimento psicológico para lidar com todos os tipos de doenças.
  • amadurecimento pessoal.
   
Sigmund Freud

Terapia tradicional? Terapia alternativa? Coaching? Life Planning? Autoajuda?

Muito mais. 

Imagina misturar toda minha experiência na psicoanalise, somada a minha experiencia no mundo dos negocios. 

Isso me deu FOCO e eu proponho você o mesmo: FOCO.
Vamos trabalhar em terapias muito mais simples e eficazes.
Um plano curto e intensivo, onde a partir da sessão um você será capaz de começar a agir para mudar e melhorar.

É hora de focar em você mesmo, pelo menos uma vez, e acreditar que tudo pode ser muito melhor.

Quer me escrever